TAG: 10 perguntas literárias

O louco das TAGs voltou! Vi lá no blog da M.M Drack.

parte superior de vários livros enfileirados

1. Qual a capa mais bonita da sua estante?

Rani e o Sino da Divisão, do Jim Anotsu. É roxa, meio macabra e roxa roxa roxa.

2. Se pudesse trazer 1 personagem para a realidade, qual seria?

Lisbeth Salander, da série Millenium.

3. Se pudesse entrevistar um autor(a), qual seria?
 O Neil Gaiman, eu acho.
4. Um livro que não lerá de novo? Por quê?
Vários que li na graduação. O Romantismo brasileiro, basicamente.
5. Um história confusa?
Cyberstorm, de Matthew Matter. Foi difícil terminar, me arrependo de ter começado.
6. Um casal?
Jenks e Lovey, de The Long Way to a Small Angry Planet (Becky Chambers). Que fofura.
7. Dois vilões. (Pode ser tanto 2 vilões que goste, como 2 vilões que não goste).
A Capeta, de Lizzie Bordello (Germana Viana) e o Mulo, da série Fundação (Isaac Asimov). Eu me diverti muito com ambos.
8. Uma personagem que você mataria (ou tiraria do livro)?
Eu tenho sérios problemas com o Peeta Mellark, de Jogos Vorazes (Suzanne Collins). Ele é chato, grudento, um porre.
9. Se pudesse viver num livro, qual seria?
Neuromancer, do Willian Gibson. Nada muito pior do que nosso cotidiano, eu imagino. O lado otimista escolhe The Long Way to a Small Angry Planet.
10. Qual o seu maior livro e o menor? (Em termos de páginas).
O maior deve ser Musashi, de Eiji Yoshikawa. Morro de vontade de reler, só falta a coragem de encarar 2709 páginas (soma dos dois volumes). O menor é Nós Somos Todos Iguais?, de adolescentes abrigados na Casa das Expedições.
Anúncios

Coisas que me fazem feliz (e não são coisas)

Vi lá no Momentum Saga , pra variar, não resisti!

Duas mulheres deitadas e sorridentes sobre o capô de um carro antigo

  • Escrever
  • Ler
  • Brincar com o Tomaz (o gato que me adotou)
  • Estar perto de pessoas queridas
  • Abraços!
  • Descobrir uma série ou filme bacana
  • Tomar banho com as luzes apagadas
  • Mudar os móveis de lugar e não saber andar pela casa depois
  • Comer
  • Cozinhar
  • Colorir (a casa, o cabelo)
  • Ouvir música
  • Ver/saber que uma pessoa amada conquistou algo
  • Reencontrar amigos
  • Ser (positivamente) surpreendido
  • Dormir sem interrupções
  • Ganhar colo
  • Quando elogiam algo que fiz
  • Criar teorias da conspiração com o Thiago
  • Sentir que posso confiar em alguém
  • Passar um nível complicado de um jogo
  • Desbloquear conquistas de um jogo
  • Inventar pratos com a minha mãe
  • Ser abordado por gatos na rua

[TAG] Perfil Literário

Vi a TAG lá no Sem Serifa e decidi brincar também 🙂

 Hermione Granger joga um livro sobre a mesa e atinge Harry e Rony.best-books-you-were-forced-to-read-in-school

1. Qual seu estilo de livro favorito?
Vai muito de fase. Pra não me confundir, leio diferentes estilos/gêneros literários de uma vez. Vou dizer que são contos, em especial, de ficção científica e fantasia.

2. Qual sua saga/trilogia favorita?
De cara, Millenium, do Stieg Larsson. Fiquei um bom tempo pra conseguir ler outro romance depois de terminar a trilogia.
Mas posso colocar mais coisa na lista: a Trilogia de Sprawl, do Willian Gibson; a série Fundação, de Isaac Asimov (por ser a primeira série de FC que li); a trilogia de cinco do Guia do Mochileiro das Galáxias, do Douglas Adams; e Harry Potter, da J.K. Rowling que, apesar de eu não ter terminado a série, foi (é) uma das mais importantes na minha formação como leitor.

3. Qual livro você demorou mais para ler?
A Torre, de Richard Martin Stern. Estou “””””lendo””””” esse livro há uns 20 anos, eu acho. Achei na estante de casa quando criança e nunca consegui terminar. Fico interessado, só que perco a atenção e abandono. Ainda está guardado para, quem sabe um dia, eu tomar vergonha na cara e ler.

4. Qual livro você está lendo?
Harry Potter e o Enigma do Príncipe, da J.K. Rowling.

5. Quantos livros você tem na sua estante?
Contei 220. No Kindle (não deixa de ser uma estante), são mais de 500.

giphy (11).gif

6. Qual o livro mais antigo da sua estante?
Vou chutar pelas capas: O Segundo Sexo, da Simone de Beauvoir e dois volumes de Antologia Brasileira de Literatura.

7. Qual o próximo livro que você pretende comprar?
Espelhos, do Eduardo Galeano. Li um trecho e pirei! Estava esgotado e o ebook tá com um preço bem salgado. Quem sabe na Bienal? =)

8. Um livro que fez você mudar o sentido de ver o mundo?
Musashi, de Eiji Yoshikawa. Li os 2 volumes em 2012 e posso afirmar que salvaram minha vida.

9. Qual livro se você pudesse proibiria a leitura dele? (Qual livro você não recomendaria a sua leitura?)
Eu não proíbo a leitura de nada, embora considere muita coisa… prejudicial. Proibir é muito perigoso e não tenho a intenção de ser dono de ninguém.
Agora, um livro que eu não recomendo… Ano passado, li Cyberstom, do Matthew Mather, e fiquei bem desgostoso da vida. Quando me perguntam, eu explico por que não gostei com toda a sinceridade (e são vários motivos). De novo: é uma avaliação negativa, não uma proibição.

10. Qual livro você levaria para uma ilha deserta?
Eu levaria meu Kindle, já teria leitura pra uma década.

É isso ☺ Fico por aqui.

Meus inícios de livros favoritos

Há algum tempo, entendi (e me conformei) que não viverei tempo o suficiente para ler todos os livros que quero. Tenho uma lista de leitura ENORME e crescente: conheço autores, busco indicações, leio que resenhas que atiçam a curiosidade… Resultado: mesmo que nenhum outro livro fosse lançado a partir de hoje, eu ainda teria diversão por um bom tempo (nem mencionei o que releio).

Então, uma das maneiras de filtrar e manter ou não uma leitura é pelo início. Eu começo várias leituras de uma vez e mantenho as que me prendem mais. E não é por acaso: um dos exercícios da Oficina Literária Colaborativa do Eric Novello (assine a newsletter dele aqui, eu recomendo muito) foi escrever um 1º parágrafo que “convence um editor a publicar sua história sem nem ler o resto do livro.

Resolvi brincar um pouco e selecionei 5 inícios de livros que eu adoro:

A Metamorfose – Franz Kafka
“Numa manhã, ao despertar de sonhos inquietantes, Gregor Samsa deu por si na cama, transformado num gigantesco inseto.”

O Oceano no Fim do Caminho – Neil Gaiman
“Eu estava de terno preto, camisa branca, gravata preta e um par de sapatos pretos, bem engraxados e lustrosos; um traje que normalmente me deixaria desconfortável, como se estivesse fingindo ser adulto. Hoje me confortou, de certa forma. Era a roupa certa para um dia difícil.”

A Menina Submersa – Caitlín R. Kierman
“‘Vou escrever uma história de fantasmas agora’, ela datilografou.
“‘Uma história de fantasmas com uma sereia e um lobo’, datilografou mais uma vez.
Eu também datilografei.”

A Mão Esquerda da Escuridão – Ursula K. Le Guin
“Farei meu relatório como se contasse uma história, pois quando criança aprendi, em meu planeta natal, que a Verdade é uma questão de imaginação.”

Guerra do Velho – John Scalzi
“No meu aniversário de 75 anos, fiz duas coisas: visitei o túmulo da minha esposa, depois entrei para o exército.
“Visitar o túmulo de Kathy foi a menos dramática das duas.”
______

Pra quem se interessar, o extinto, só que não podcast Três Páginas analisa inícios de contos e dá uns toques bacanas.

O que tenho lido

Alguns minutos antes da Virada pra 2016, eu estava montando minha lista de Desafio Literário. Peguei ideias aqui e ali e contei 62 itens. Seria fácil de completar se tantas surpresas não tivessem surgido na minha vida nesses primeiros cinco meses do ano.

best-books-you-were-forced-to-read-in-school

Por falta de tempo e concentração e por ainda sofrer de ressaca pós-Trilogia Millenium, acabei me cercando de contos. Busquei indicações, desenterrei leituras atrasadas, descobri muita gente boa. O legal do conto é que consigo terminar de ler no percurso casa-trabalho-casa e facilita o trabalho de manter o foco.

Nesse sentido, o Wattpad ajuda – e muito! Eu recuperei minha lista de leitura de lá (tava esquecida, tadinha) e encontrei muita coisa bacana. E dá pra ler offline também, que é pra não ter desculpas mesmo.

Quando Fadas Morrem foi minha leitura mais recente. A Daniele levou problemas do nosso mundo para uma realidade com fadas e trabalhou a relação desses seres com os humanos. O conto confirma minha teoria de que a culpa é nossa e sempre será. Achei lindo, muito envolvente.

Um pouco antes, li Mixtapes Vol. I, da Mary. Trata-se de uma breve coletânea de contos inspirados em músicas diversas. Cara, que coisa linda. A Mary tem um jeito incrível de escrever sobre adolescentes, faz a fase parecer bem mais agradável e otimista do que eu me lembro. Tive que ler alguns mais de uma vez, de tão encantado que fiquei.

Falando em encantamento, Alice no Fim do Mundo é o conto que eu passei a recomendar pra todo mundo que conheço. A Soraya escreve de uma maneira tão leve e segura. Não é a primeira vez que cito o conto dela por aqui – e não será a última! Apenas leiam, aproveitem, divirtam-se!

Pausa rápida: repararam que só indiquei mulheres até agora? 🙂

Bem, continuando. Parei de enrolar e comecei a ler a Trasgo, uma revista nacional que publica contos de fantasia e ficção científica. Pirei! Estou lendo em ordem aleatória e (re)descobrindo muita gente boa. Grande parte dos meus momentos criativos dos últimos tempos surgiu após ler a revista – são tantas vozes e estilos inspiradores!

Multiplicidade encontrei também em Neon Azul, do Eric. O livro é construído com várias histórias que dialogam e se entrelaçam. Acaba virando um romance com diferentes protagonistas, depende de que parte você está lendo e em quem vai acreditar. A junção real-fantástico é menor do que em EADB, então recomendo para quem não está sabe por onde começar a ler fantasia.

Pra finalizar as recomendações de contos, indico Inapto, do Pôlo. Já li, reli, re-reli e ninjas cortadores de cebola me acompanharam em todas as vezes. O estilo é direto e a história se desenvolve sem segredos; saber que a ficção denuncia a realidade não faz da segunda um lugar mais agradável. Além de amigo, crítico e membro do Clube de Vegetarianos Fãs de FC (ou seriam Fãs de FC Vegetarianos?), Pôlo está na lista de escritores que me deixam sem palavras.

Por causa da fluidez do gênero, também li poemas. Pra ser preciso, li Poemas Completos de Alberto Caeiro em dois dias. É fascinante! Não é à toa que Fernando Pessoa encontrou em Caeiro seu Mestre.

Comecei a ler três romances, que é pra ver se a ressaca me abandona: Paula (Isabel Allende), Snow Crash (Neal Stephenson) e The Long Way to a Small Angry Planet (Becky Chambers). Ainda estou muito no início, mas acho que agora vai.

A newsletter nossa de cada dia

tumblr_nhtu8yiPzE1u7s4n7o1_500

Há um ~~pequeno~~ universo caótico que muito me atrai e muito me assusta. É um lugar onde não existe tédio, mas que está cheio de possibilidades de procrastinação. E se eu quero ler e escrever e jogar e viver!, preciso escolher bem pra onde arrasto meu cursor. Em clique errado e entro um vórtice de gifs de gatos (ou pombos, amo gifs de pombos), memes, vídeos de angry players e adeus planejamento!

Foi então que a newsletter surgiu na minha vida. Já que não consigo acompanhar tudo o que acontece no twitter, já que o feed do facebug é falho, já que esqueço de conferir o feed dos blogs, nada melhor do que receber o conteúdo por e-mail e poder ler com calma, em qualquer momento, sem me perder.

Resolvi fazer uma listinha do que tenho lido e recomendo. Tem pra todos os gostos:

Bobagens Imperdíveis
Foi a primeira que assinei (segunda, mas é uma longa história), há um bom tempo – numa época em que a Aline Valek colocava um monte de links e gifs e indicações diversas. Entrou um período quinzenal, mas dá pra sentir que há muita pesquisa envolvida na produção dos textos. Pra tudo a Aline deixa uma indicação ou recomendação, então a newsletter se estende.

Diário da Capitã
Essa aqui é para assinantes do Padrim do blog Momentum Saga, da Lady Sybylla. Toda semana, um assunto novo surge e é trabalhado também com muita pesquisa. Eu me encanto com o cuidado que a Sybylla demonstra na newsletter, o carinho em escrever um conteúdo de qualidade. E tem os micro-contos de ficção científica baseados em assinantes! Sim, é muito carinho.

Trivela
Pois é, eu reforço os esteriótipos de gênero adoro futebol! Só que como a imprensa está mais interessada na medida da cintura da última suposta namorada do Neymar, não tenho pique de escavar sites atrás de boas notícias. O Trivela é o meu favorito, tem umas matérias incríveis e a newsletter traz um apanhado semana.

Gizmodo Brasil
O Gizmodo é um site sobre tecnologia dos mais acessíveis para gente que, assim como eu, é curiosa e interessada, porém muito de humanas para essa vida. Na mesma pegada da dica anterior, a newsletter é uma seleção do que de melhor foi publicado no site.

Ada
Também sobre tecnologia, com boas indicações e feita por mulheres (rá!).

Mulheres que escrevem
Uma das coisas mais lindas nascidas nos últimos tempos. Várias mulheres escritoras contam sobre seus processos de produção, por que escrevem, as dificuldades, as alegrias… Enfim, um girl power da escrita, muito foda.

Estranho Mundo de Eric
O Eric Novello, autor de Exorcismos, Amores e uma Dose de Blues, é incansável. Além de seus livros, site e blog, ele fez a newsletter para falar das novidades do trabalho, dar dicas, comentar o andamento dos próximos livros… Vivemos numa época em que um de seus escritores favoritos te manda e-mail, vejam só que maravilha! 🙂

Velocidade de Escape
Eu descobri a Gabriela Ventura por causa do Universo Desconstruído e uau! – que pessoa maneira. Ela aborda vários assuntos de um jeito peculiar. Recomendo também o podcast dela sobre literatura.

Alguma coisa nova
A mais recente assinatura! A Dani tem uma proposta interessante: conhecer coisas novas toda semana e escrever a respeito. Tem filme, tem CD, tem cerveja. E ela é bem diversa nas escolhas e sincera nas opiniões. Tá no começo, mas promete muito! 🙂

.*.*.*.*.*.

Eu tenho outras assinaturas, mas preferi divulgar as produções em ptbr e mais frequentes. Aceito dicas de outras newsletters – é só mandar um salve no tuinto.

Livros bacanudos -ou não- que li em 2015

Vamos lá (de novo). Tentei formas e mais formas de fazer uma lista-não-lista do que li em 2015, só que nada parecia funcionar. Eu só não quero deixar batido, porque li tanto, conheci e redescobri tanta coisa boa (ou não), que não poderia deixar pra lá.
Capturar

O Skoob manda atualizações automáticas pro FB quando termino de ler um livro. “Marquei como Lido” foi o termo que mais usei naquela rede social (que tenho evitado), e “Lendo” não ficou longe. “Mulheres” também foi frequente: marquei as tags #lendomulheres e #leiamaismulheres2015 em muitas postagens.

Por causa de um grande tempo do ano sem trabalho formal, tive mais tempo para ler (e escrever e viver). Foram 78 livros no ano, segundo a meta de leitura, fora os ~alguns~ que eu quase terminei e que estão me encarando na estante.

Capturar2

Chega de enrolação, né? Bem, vou tentar separar por categorias, porque eu leio de tudo um pouco e fica difícil colocar por gênero literário ou por ordem de preferência. Aliás, ordem de preferência pra livros é uma coisa muito dolorosa pra quem lê muito – eu passo longe.

Pra eu não me perder muito, cada categoria vai ter 7 itens. Nada cansativo, nada injusto.

As 7 decepções:
Branca dos Mortos e os Sete Zumbis, de Fábio Yabu
Eu, Robô, de Isaac Asimov
Os Sofrimentos do Jovem Werther, de Goethe
Cyberstorm, de Matthew Mather
A Livraria 24 Horas do Mr. Penumbra, de Robin Sloan
Desumano, de Olivia Maia
Condenada, de Chuck Palahniuk

Os 7 ninjas malditos cortadores de cebolas:
Trilogia Jogos Vorazes, de Suzanne Collins
Frida, de Hayden Herrera
Lua de Larvas, de Sally Garden
Quarto de Despejo, Carolina Maria de Jesus
A Arte de Pedir, de Amanda Palmer
A Cor Púpura, de Alice Walker
Eu sou Malala, de Malala Yousafzai e Christina Lamb (menção honrosa, porque li em 2014)

As 7 vezes em que chorei de rir (ou os 7 livros que me animaram):
Fritei Minha Dignidade no Bacon, de Alliah
Garota Siririca, de Lovelove6
Quem Atirou na Minha Cabeça?, de Alliah
O Salmão da Dúvida, de Douglas Adams
Lugar Nenhum, de Neil Gaiman
Guts, de Chuck Palahniuk (sim, eu tenho sérios problemas)
Old Man’s War, de John Scalzi (sei que parece estranho esse livro estar aqui, mas Scalzi tem umas tiradas excelentes)

As 7 explosões de cabeça:
GURPS Cyberpunk, de Loyd Blankenship
A Mão Esquerda da Escuridão, de Ursula K. Le Guin
Os Homens que não Amavam as Mulheres, de Stieg Larsson
Americanah, de Chimamanda Ngozi Adichie
Meio Sol Amarelo, de Chimamanda Ngozi Adichie
Mona Lisa Overdrive, de William Gibson
Pequeno Irmão, de Cory Doctorow

Os 7 livros nacionais que todo mundo precisa ler:
Universo Desconstruído, Vários Autores
As Lendas de Dandara, de Jarid Arraes
A Ilha dos Dissidentes, de Bárbara Morais
Ouro, Fogo & Megabytes, de Felipe Castilho
Diga Meu Nome e Eu Viverei, de Lady Sybylla
Anacrônicas, de Ana Cristina Rodrigues
Metanfetaedro, de Alliah

Posso concluir que, além de ler pra caramba, eu sou bem eclético e gosto muito de Alliah/Vic e da Chimamanda. Pro próximo ano, quero continuar nessa pegada de mesclar clássicos/best sellers com livros menos divulgados por aqui ou de autores nacionais de personagens diversos. Pro início do ano, aliás, tenho várias obras que comprei durante o Encontro Irradiativo, além de querer continuar as séries da Bárbara Morais e do Felipe Castilho.

Só lembrando que essa é uma lista INCOMPLETA do que li em 2015. Tive que deixar muita coisa de fora, inclusive livros de que gostei muito.

É isso 😀

Meus podcasts favoritos

Fones de ouvido sobre alguns papéis

Há uns 2 anos, quando eu trabalhava por quase 10 horas sem poder conversar muito e vivia com sono, um colega me apresentou o Nerdcast. Foi o primeiro podcast que ouvi, embora já conhecesse a mídia. Além de alguns temas que me interessavam, as risadas deles não me deixavam dormir – e quando eu saía de casa antes de o sol nascer, passava o dia numa sala e voltava para casa no início da noite, o sono era meu maior companheiro.

Acontece que cansei do NC, por um motivo bem fácil de se entender. E passei a procurar por outros programas, já que é uma mídia que muito me atrai. Seja para informação ou para entretenimento, eu adoro ouvir podcasts. Além de aprender, eu sempre tenho assunto e pareço mais uma pessoa mais inteligente e antenada.

Fiz uma lista (sem ordem de preferência) dos meus programas favoritos até agora. Posso incluir ou excluir muita coisa, porque assim é a vida. Aliás, recomendações são bem vindas.

We Can Cast It
Primeiro podcast feminista que ouvi, feito pela Aline Valek e pela Giza Sousa. Acabou rápido, por falta de divulgação e apoio. Felizmente, os episódios continuam disponíveis e eu sempre ouço alguns de vez em quando.

Anticast
Conheci o AC por causa da Sybylla, do Momentum Saga. Num piscar de olhos, virou um dos podcasts que mais ouço e recomendo. Semana após semana, eles melhoram, é incrível! Existe uma “família Anticast” de outros programas, dos quais recomendo o Três Páginas (de análise literária), É Pau, É Pedra (feito pelos patrões do AC, inclusive com um filhote muito bom, o Fala da Sereia, da Ariel Nolasco) e o…

Projeto Humanos
É um podcast em formato de storytelling, feito com muito, muito cuidado. A 1ª temporada me levou às lágrimas em muitos momentos. O Ivan tem feito um excelente trabalho ao revelar histórias (e é disso que somos feitos, né?)

CabulosoCast
Mais um que conheci após a participação da Sybylla (não sou stalker, gente! Apenas acompanho o trabalho da capitã). Pra quem gosta de livros, o Cabuloso é essencial e divertido. Até quando o papo é sobre Linguística (!) é leve, sério.

Xadrez Verbal
Basicamente: uma pessoa só pode se considerar informada depois de ouvir esse podcast. Eu falo sério. O Filipe e o Matias pegam aquela porrada de notícias confusas, com zilhões de links do tipo “entenda a treta que tá rolando” – e que só pioram a situação, porque quando você chega à vigésima página nem sabe mais o que procurava – e condensam num ótimo podcast sobre política internacional. Após zerar os episódios lançados até agora, vou partir para os textos e para o canal do Youtube deles!

O Drone Saltitante
(Sim, também conheci esse por razões de Sybylla). Nem sei o que dizer sobre ODS. Pra quem gosta de Scifi e/ou Fantasia, é prato cheio. Dou muitas risadas com a Diana e, resumindo o rolê, se um dia eu participar de um podcast, quero ser igual ao Igor: aquele que GRITA e SURTA e PERDE A LINHA! Só ouvindo para entender.

 

É isso, por enquanto! 🙂

.*.*.*.*.*.
Imagem: Sebastian Surendar

TAG: Dias da semana em livros

Eu atóron o Momentum Saga, o melhor (e mais seguro) blog sobre ficção científica que eu conheço e sempre pirei com as TAGs que a Capitã Sybylla respondia. Essa ideia de relacionar livros e dias da semana é tão incrível que não resisti e comecei a brincar também.

Domingo – Um livro que você não quer que termine ou não quis que terminasse.

O Salmão da Dúvida, do Douglas Adams. Eu tive deliciosas crises de riso com esse livro, e ficou aquele gostinho de nunca mais 😦

Segunda – Um livro que você tem preguiça de começar.

O Senhor dos Anéis, do Tolkien. Nunca consegui ver o filme, porque sempre pego no sono depois de quinze minutos. Acabo ficando com essa mesma impressão com o livro e fico só ensaiando.

Terça – Um livro que você empurrou com a barriga ou leu por obrigação.

Os Sofrimentos do Jovem Werther, do Goethe. Na graduação, uma colega de classe muito classuda e racista disse que era melhor do que todo mundo por já ter lido Goethe. Já peguei nojinho aí. Uma professora chegou a indicar o livro por ser um grande exemplo de epistola, felizmente, sem nos obrigar a ler. O gênero textual é trabalhado com muita qualidade, porém o conteúdo… Eu não senti qualquer simpatia, só via um burguesinho chorão.

Quarta – Um livro que você deixou pela metade ou está lendo no momento.

A Função do Orgasmo, do Reich. Está na minha meta de leitura 2015, mas já tem uns dois anos que estou enrolando com esse livro. Talvez seja melhor largar de vez.

Quinta – O livro de quinta. Um livro que você não recomenda.

O Fim da Infância, do Arthur C. Clarke. Sim, estou ciente de que é um clássico e de que sou o único ser vivo que não gostou desse livro. Sei lá, senti que passei por páginas e páginas pra chegar a lugar nenhum. Quem sabe, um dia, eu releia e essa opinião mude.

Sexta – Um livro que você quer que chegue logo (lançamento ou compra).

Universo Desconstruído 2. Nem sei se é assim que a coletânea vai se chamar, só sei que estou morrendo de ansiedade. Sério.

Sábado – Um livro que você quis começar novamente assim que terminou.

Lua de Larvas, de Sally Gardner. Que delícia de livro. Curtinho, foi me prendendo e me deixou com uma ressaca brava.

Parceria e Recomendações: #DracoBlogs

É com muita alegria que anuncio que a parceria com a Editora Draco (aeeee \o/).

Conheci a Editora há algum tempo, quando comecei a procurar por literatura nacional contemporânea. Por acaso, assim que passei a ler pelo meu espertofone, os primeiros livros foram da Draco, que disponibiliza gratuitamente alguns livros da série Contos do Dragão. Desde então, já li muitas de suas publicações – tenho preferido ebooks e sempre encontro um preço bacana.

Sem maiores enrolações, vou recomendar alguns desses livros (com link para o site da editora):

O Senhor do Vento, Gabriel Réquiem
o-senhor-do-vento-200x300
Além de ser o livro que inaugurou meu leitor de ebook, o conto me surpreendeu positivamente. A escrita flui bem e, apesar de ser curto, o mistério da história não é previsível.

Fritei Minha Dignidade no Bacon, Alliah
alliah
Eu sou muito fã do trabalho da Alliah e me diverti demais com esse conto. A esquisitice do cenário e o tom informal encontram-se com personagens diversas e uma história tão real que não pode ser ficção.

A Toca das Fadas, Clara Madrigano
55300009993071-200x300
Eu costumo não gostar de contos de terror, mas esse me conquistou.
Fadas existem? Se sim, elas são tão fofas e brilhantes quanto conhecemos? Podemos conviver pacificamente? A única resposta que tenho é: tudo é possível.