acúmulo

pastas cheias de músicas
ouvi, gostei ou não, deixei lá para aproveitar mais uma vez
ou fazer outra tentativa

a mesma coisa com filmes
não estava pronto para aquele documentário e já são, o quê?, uns nove anos de espera

os livros, essas possibilidades mágicas que ajudam a suportar a realidade – ou me explicam mais sobre a vida
são tantos, tantos
nem se eu vivesse para sempre poderia ler todos
as ideias são vivas e ganham forma todos os dias

eu sou um acúmulo
não de tudo o que acumulo
(e o que me interessa é o que pontuei acima; roupas, sapatos, móveis, nada disso me é muito desejável. e não sou melhor do que ninguém pelas minhas preferências)

eu sou um acúmulo de erros
sobrevivo, torto e dolorido
e assim são meus acertos

sou um acúmulo de tentativas, de frustrações, de choro e risos reprimidos

das minhas memórias, nem sempre lúcidas, nem sempre disponíveis

sou um acúmulo das diferentes vontades que tenho, dos planos que já engavetei, do que ainda sonho que possa acontecer e do proveito que tiro do que alcanço e faço de verdade.

sou um acúmulo de palavras que solto da melhor maneira que consigo, porque descobri que é isso que me move
é assim que tento organizar os universos presos dentro da minha cabeça, mesmo que, ao saírem, eles não sejam tão atraentes ou legais quanto imaginei

é assim, com as palavras, que eu abandono o acúmulo

Anúncios