toc-toc-toc

ID-100260532

Eram detalhes. Aqui e ali, uma roupa fora do lugar, uma tampa de caneta na posição errada, uma colher na divisória dos garfos.

Pensei em chamar a polícia. Quem quer que tenha invadido minha casa usara dos mais perversos requintes de crueldade. Nunca – nunca! – se pode misturar moedas de diferentes valores. Eu teria que contar e separar tudo novamente.

Minha vida estava bagunçada. Cheguei em casa e soube que minha condenação tinha acontecido. Olhos desatentos nada diriam; seus donos jogariam a blusa sobre o sofá com displicência, lavariam mãos e rosto e se entregariam a uma noite com sorvete de chocolate e filme. Suas vidas estariam perfeitamente destruídas e dominadas. Quem iria imaginar, não?

Mas eu sabia, logo que vi a série de livros fora de ordem (não tinham ordem numérica nas capas, eu reconhecia pelas cores da fonte). Eu soube que a pessoa desconhecida que invadira minha casa enquanto eu estava ausente desejava me ferir com precisão. Nada fora roubado ou quebrado. Minto. A paz fora roubada e a organização fora quebrada.

Não é uma questão de drama. Eu não só poderia arrumar tudo novamente, como o fiz de imediato, antes que a agonia me consumisse. Fiz o melhor que pude com as mãos suadas e trêmulas e ansiosas.

Cometi um erro. Modifiquei a cena do crime por não poder suportá-la. E agora? Ninguém jamais acreditaria em mim, autoridade alguma me ouviria. Pior do que a agonia em saber que tentavam me ferir (com sucesso!) seria encarar aquela desordem distraída de quem não se importava com as cores, as formas, a simetria universal.

Quando tudo estava de volta aos seus lugares devidos, me obriguei a tomar um banho e me acalmar. A água quente queimava minha pele, até eu chegar ao cem de cada lado. Perdi a conta algumas vezes por deixar que a lembrança chocante de casa invadisse minha visão. A água me feriu fisicamente, mas eu tinha remédio para isso. Os pratos fundos acima dos rasos, no entanto, era algo sem perdão. Eu precisava ajeitar o que estava errado. Precisava alinhar os planetas do meu universo privado.

Anúncios